Prémio Sakharov 2017

Prémio Sakharov 2017

O Parlamento Europeu atribuiu o Prémio Sakharov 2017 à Oposição Democrática na Venezuela.

 

A conferência dos Presidentes do PE, constituída pelo presidente da instituição e pelos líderes dos grupos políticos decidiu, esta manhã, atribuir o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2017 à Oposição Democrática na Venezuela: a Assembleia Nacional (Julio Borges) e todos os prisioneiros políticos de acordo com a lista do Foro Penal Venezolano representados por Leopoldo López, Antonio Ledezma, Daniel Ceballos, Yon Goicoechea, Lorent Saleh, Alfredo Ramos e Andrea González.

 

"Ao atribuir o Prémio Sakharov à Oposição Democrática na Venezuela, estamos a reafirmar o nosso apoio inabalável à Assembleia Nacional eleita democraticamente. E apelamos também à transição pacífica para a democracia, que o povo venezuelano pede desesperadamente ", declarou o Presidente do PE em plenário nesta quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

 

"Este prémio não reconhece apenas a luta corajosa da oposição democrática na Venezuela. O Parlamento Europeu também deseja homenagear o povo venezuelano: todos os que foram presos por expressar sua opinião, os que lutam para sobreviver diariamente por causa de um regime brutal, as famílias de luto porque perderam os seus entes queridos em meses de protestos ininterruptos de liberdade ", acrescentou Antonio Tajani.

 

Oposição democrática na Venezuela

Ao longo dos últimos anos, a Venezuela tem-se debatido com uma crise política. Em março de 2017, o Supremo Tribunal privou a Assembleia Nacional democraticamente eleita do seu poder legislativo.

Ao mesmo tempo, o número de prisioneiros políticos ultrapassou os seiscentos, segundo o último relatório do Foro Penal Venezolano (Fórum Penal Venezuelano). Entre os prisioneiros políticos encontram-se proeminentes líderes da oposição Leopoldo López, Antonio Ledezma, Daniel Ceballos, Yon Goicoechea, Lorent Saleh, Alfredo Ramos e Andrea González.

Embora o líder da oposição venezuelana Leopoldo López passasse, temporariamente, ao regime de prisão domiciliária em julho, após mais de três anos detido, foi transferido de novo para a prisão em agosto de 2017.

Outro importante político da oposição e antigo Presidente da Câmara Municipal de Caracas, Antonio Ledesma, tem estado em prisão domiciliária desde 2015, enquanto os antigos presidentes de câmaras municipais Alfredo Ramos, de Iribarren, e Daniel Ceballos, de San Cristobal, também foram presos, tal como um estudante ativista Lorent Saleh. Entre os prisioneiros políticos encontram-se dois cidadãos espanhóis, Andrea Gonzalez e Yon Goicoechea.

Desde o início do ano, mais de 130 pessoas morreram em protestos nas ruas, a maioria em manifestações contra o governo, e mais de 500 foram detidas arbitrariamente.

 

A cerimónia de entrega do prémio, que inclui certificado e um prémio monetário no valor de 50 000 euros, realiza-se a 13 de dezembro no Parlamento Europeu em Estrasburgo.

 

Prémio Sakharov

O "Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento" (assim chamado em homenagem ao dissidente soviético Andrei Sakharov) é atribuído todos os anos pelo Parlamento Europeu. Criado em 1988, recompensa personalidades ou entidades que se esforçam por defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Em 2016, o prémio foi atribuído a Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, sobreviventes da escravatura sexual do autoproclamado Estado Islâmico e defensoras da comunidade yazidi no Iraque.

 

Fonte: http://www.europarl.europa.eu/news/pt/headlines/priorities/20171023TST86605/20171023STO86606/oposicao-democratica-na-venezuela-vence-premio-sakharov-2017

24/01/2019 09:10:32