Seis bastonários pressionam Marcelo contra eutanásia

Seis bastonários pressionam Marcelo contra eutanásia

MÉDICOS O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) e cinco ex- -bastonários entregam hoje ao Presidente da República uma declaração conjunta na qual se assumem contra a despenalização da eutanásia e do suicídio medicamente assistido.

Em defesa dos princípios do Código Deontológico dos Médicos, e porque entendem que o que está em causa "não é mais do que tirar a vida, seja qual for a razão e a idade", Miguel Guimarães, José Manuel Silva, Pedro Nunes, Germano de Sousa, Carlos Ribeiro e Gentil Martins vão encontrar-se às 17 horas com Marcelo Rebelo de Sousa. Querem sensibilizá-lo para o tema que deu origem a quatros projetos de lei de despenalização da morte assistida (apresentados pelo BE, PS, PAN e PEV), com discussão e votação agendadas para terça-feira, no Parlamento.

Num debate promovido anteontem à noite na Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos, com o mote "Decisões sobre o fim da vida", houve médicos que reclamaram mais dois ou três anos para discutir o tema e esclarecer a população e outros, como Germano de Sousa, que questionaram que a matéria seja "entregue a deputados".

Também o atual bastonário questionou a legitimidade da Assembleia da República - de "pouco mais de cem deputados" - para tomar a decisão. Miguel Guimarães deixou claro que, se a despenalização da eutanásia for aprovada, não haverá alterações ao Código Deontológico porque os médicos que a praticarem ficam automaticamente despenalizados em função da lei do país.

No Parlamento já deram entra da sete pareceres aos projetos d lei apresentados pelos partidos, mais recente, da Ordem dos Ac vogados, defende a fiscalização preventiva do Tribunal Constitucional de uma futura lei que de penalize a eutanásia. A Ordem dos Enfermeiros já se manifestou contra três das quatro propostas em cima da mesa e o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida é, por princípio, contra a prática da eutanásia. INÊS SCHERECK

18/03/2019 13:42:22