Jovens fogem dos cursos que dão acesso à carreira de professor

Jovens fogem dos cursos que dão acesso à carreira de professor

Só apenas 693 estudantes entraram em cursos de formação de docentes.

Sobraram 7290 vagas para a segunda fase de acesso educação Este ano, só 693 estudantes foram admitidos em cursos de formação de professores, na primeira fase do concurso nacional de acesso. Quase metade das 1204 vagas disponíveis ficaram por preencher. Foi a maior quebra de colocados dos últimos anos e segue-se a anos de dificuldades de colocação na Função Pública e ao agravamento da contestação dos sindicatos contra o ministério.

O desinteresse dos estudantes pela profissão é notório, mesmo comparando com o passado recente. Em 2016 e 2017, na primeira fase do concurso nacional de acesso foram colocados, em cada ano, mais de mil novos alunos - este ano, foram apenas 693. E no ano passado, 853 tinham escolhido um curso de formação de professores como primeira opção - mais do que os 519 candidatos deste ano.

Já os cursos de informação e jornalismo continuam a suscitar um grande interesse: para a segunda fase sobraram apenas seis das 880 vagas disponíveis. Também em direito, ciências físicas e matemática e estatística sobraram poucas dezenas de vagas.

Engenharia é o setor de formação com maior número de vagas por preencher, mas é também aquele que maior número de lugares leva a concurso: das 9277 vagas sobraram 1829.

MAIS DE 10% FICAM DE FORA

Dos 49 362 candidatos a um dos 1068 cursos disponíveis (licenciaturas, mestrados integrados ou cursos preparatórios), entraram 43 992, ou seja, ficaram de fora mais de 10% dos estudantes.

A segunda fase arranca hoje e decorre até 21 de setembro, com 7290 vagas. Os resultados serão divulgados a 27 de setembro.

21/09/2018 14:50:01