Jovens reclusos da prisão de Leiria ganham “dignidade” com novas instalações Veja Também

Jovens reclusos da prisão de Leiria ganham “dignidade” com novas instalações Veja Também


Ministra da Justiça inaugurou espaço na terça-feira



“Estas pessoas estão privadas de liberdade, não estão privadas de dignidade. Temos a percepção que o bem-estar e a segurança destas pessoas é essencial e é a função do Estado. Dificilmente poderia ter começado o dia melhor: ouvindo música, cantada por vozes lindíssimas de pessoas que por razões do seu percurso pessoal se encontram neste momento privadas de liberdade.” As palavras são de Francisca van Dunem.

A ministra da Justiça inaugurou na terça-feira o requalificado Pavilhão Infante Santo, no Estabelecimento Prisional de Leiria Jovens, que considerou que agora “observa padrões mínimos de dignidade para quem nele vai habitar".

Além da cama, as 42 celas estão agora dotadas de um pequeno lavatório e uma sanita, num investimento total de cerca de um milhão de euros. Francisca Van Dunem, que fez questão de ter reclusos presentes enquanto discursava, dirigiu-se aos jovens: "o vosso passado não me interessa. Interessa-me o vosso futuro. O vosso passado é com o juiz que vos julgou, a nós interessa- nos encontrar convosco caminhos de futuro, de um futuro digno para cada um".

“Sei que aqui se fazem artes performativas. Provavelmente não serão todos cantores líricos, não teremos um Plácido Domingo, mas temos vozes lindíssimas e se perceberem que essa capacidade foi estimulada, perceberão que podem descobrir outras capacidades e fazer outras coisas para além daquelas que costumavam fazer”, desafiou a ministra.

Na mesma cerimónia, foi assinado um protocolo entre a Direcção- Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) e o Município de Leiria, que irá receber alguns reclusos em regime aberto para trabalharem em tarefas de apoio logístico, de limpeza e de manutenção de instalações, remunerando-os e capacitando-os profissionalmente para a empregabilidade aquando do seu retorno à vida activa.

“Um exemplo que deve ser replicado por todos”, considerou Francisca van Dunem, que entende que o trabalho colaborativo com as autarquias pode contribuir para a formação dos jovens reclusos, estabelecendo assim “uma primeira ligação com uma vida em liberdade através da actividade laboral”.

Para a ministra a “ajuda e disponibilidade da sociedade civil é essencial para termos capacidade para realizar estes projectos”. Francisca van Dunem acrescentou que “o encontro no espaço de reclusão, de actividades que lhes permitam [aos reclusos], depois em liberdade, reconstituir a vida, fazendo um caminho diferente, é obviamente importante".

"E não só é importante como é função primordial do LER MAIS

Faça login para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto

Imobiliário: escasseia habitação para vender e para arrendarExportações do distrito de Leiria crescem abaixo da média nacionalNa política e agora nos negócios, sempre com a maior humildade

Palácio Chiado: com o Easy IVR da NOS Empresas nenhum cliente fica sem resposta

16/12/2018 12:33:08