Advogado de direitos humanos condenado a mais de quatro anos de prisão na China

Advogado de direitos humanos condenado a mais de quatro anos de prisão na China


Um tribunal no nordeste da China condenou hoje a quatro anos e meio de prisão o advogado especializado em casos de direitos humanos Wang Quanzhang, por "subversão contra o poder do Estado".



Wang é um de mais de 250 advogados e ativistas que foram detidos, em 2015, parte de uma campanha repressiva lançada pelo Governo chinês contra defensores dos direitos humanos no país.

Além de condenado à prisão, Wang foi também privado dos seus direitos políticos, por cinco anos, segundo um comunicado difundido no portal oficial do Tribunal Popular Intermédio de Tianjin.

"O veredito de hoje é uma grave injustiça. É escandaloso que Wang Quanzhang seja punido por defender pacificamente os direitos humanos na China. Ele deve ser libertado imediatamente e de forma incondicional", afirmou num comunicado a Amnistia Internacional (AI), após ser conhececida a sentença.

Wang foi detido, em 2015, mas a sua família só recebeu notícias do seu paradeiro em julho deste ano, depois de um advogado da sua confiança ter revelado que ele estava vivo e sob custódia da polícia, em Tianjin, a 120 quilómetros de Pequim, e que "provavelmente foi torturado", segundo a AI.

"Até à pouco, a família de Wang, que continua a ser assediada pelas autoridades, nem sabia se ele estava vivo. A sua prisão contínua só prolonga o seu sofrimento", acrescentou.

Em 26 de dezembro passado, policias à paisana impediram familiares e simpatizantes de Wang de acederem ao julgamento, incluindo a sua mulher, Li Wenzu, que foi impedida de se deslocar até Tianjin. O acesso foi também vetado a diplomatas e jornalistas ocidentais.

A sociedade de advogados à qual Wang pertence, a Fengrui, esteve envolvida em vários casos politicamente sensíveis e representou críticos do Partido Comunista. Wang representou membros do culto religioso Falun Gong, que o PCC considera um culto maligno, e que baniu do país, em 1999.

Líderes daquele culto de prática espiritual foram condenados a longas penas de prisão e vários seguidores detidos, por alegadamente constituírem uma ameaça.

24/05/2019 16:09:00