Quase metade dos portugueses vê independência dos juízes como “má ou muito má”

Quase metade dos portugueses vê independência dos juízes como “má ou muito má”


Classificação está relacionada com a pressão e interferência que se considera existir por parte do Governo e sistema político e dos interesses económicos



Quase metade (46%) dos portugueses classifica a independência do sistema judicial em Portugal, dos tribunais e dos juízes, como "má" ou "muito má" devido à pressão política ou de interesses económicos, segundo um inquérito hoje divulgado.

Em causa está um Eurobarómetro da Comissão Europeia relativo à perceção dos cidadãos, em janeiro deste ano, sobre a independência dos sistemas judiciais de cada país, que, no caso de Portugal, revelou que metade dos 1.000 inqueridos a consideram "má" (33%) ou "muito má" (13%).

Em sentido oposto, 40% dos inquiridos consideraram a independência dos tribunais ou dos juízes portugueses como "boa" e apenas 2% a viram como "muito boa".

Em comparação com Eurobarómetro anterior, de janeiro de 2018, as respostas positivas em Portugal caíram oito pontos percentuais.

Relativamente aos motivos que levaram os inquiridos portugueses a atribuir estas classificações estão relacionados com a pressão e interferência que consideram existir ou não do Governo e sistema político e de interesses económicos ou outros.

Em Portugal, as entrevistas aos 1.000 inquiridos foram feitas entre 09 e 11 de janeiro passado.

Ao todo, foram inquiridos 26.556 cidadãos na União Europeia (UE) para este Eurobarómetro, dos quais 44% consideraram a independência do sistema judicial como "boa", enquanto 22% a viram como "má", 12% como "muito boa" e 11% como "muito má".

Hoje foi também publicado um Eurobarómetro com a opinião das empresas da UE sobre esta questão.

Em Portugal, foram inquiridas 200 companhias entre 07 e 14 de janeiro passado, das quais 30% consideraram a independência dos juízes e dos tribunais como "boa", enquanto 25% a viram como "má", 16% como "muito má"'' e 2% como "muito boa".

As 6.808 empresas inquiridas na UE para este Eurobarómetro classificaram, na sua maioria (42%), a independência do sistema judicial como "boa", seguindo-se outras respostas como "má" (21%), "muito má" (14%) ou "muito boa" (9%).

A Comissão Europeia divulgou ainda hoje um painel de avaliação da Justiça na UE em 2019, no qual aponta a diminuição, entre 2010 e 2017, do tempo que os tribunais demoram a resolver litígios civis e comerciais, incluindo em Portugal.

Falando numa conferência de imprensa de apresentação deste painel, em Bruxelas, a comissária europeia para a Justiça, Vera Jourová, destacou Portugal, juntamente com Itália, Bulgária, Áustria, Hungria Irlanda, Espanha e Roménia, notando que estes países "têm em conta as necessidades de algumas camadas da população, como as crianças ou as vítimas de violência de género" nos processos judiciais que as afetam.

"Estes países disponibilizam informação ''online'' sobre o apoio às crianças e dão formação aos juízes sobre como comunicar com elas e com as vítimas de violência de género", adiantou Vera Jourová.

Ainda assim, a responsável notou que Portugal, tal como a Croácia, Chipre, Itália e Eslováquia, ainda tem "vários desafios" a dar resposta, devendo desde logo "criar ferramentais ''online'' para as partes seguiram os seus processos" na internet.

13/12/2019 12:30:38