Coolabora registou 103 novos casos de violência doméstica na Cova da Beira este ano

Covilhã, Castelo Branco, 25 nov 2020 (Lusa) - A Coolabora registou, este ano, 103 novos casos de violência doméstica na Cova da Beira, informou hoje aquela cooperativa de intervenção social que gere o programa "Violência Zero" nos concelhos da Covilhã, Belmonte e Fundão.

Em nota de imprensa, a Coolabora refere que os dados dizem respeito ao período entre 01 de janeiro e 31 de outubro, somando-se aos novos casos o acompanhamento de mais 109 situações que transitaram de anos anteriores, num total de 212 pessoas acompanhadas, 90% das quais mulheres.

Segundo a informação, não obstante as limitações provocadas pela covid-19, foram realizados 347 atendimentos presenciais e 1.404 atendimentos telefónicos, sendo que em 75% dos casos foi apresentada queixa.

"Queremos deixar também uma mensagem de esperança. Este ano, dos 103 novos casos que acompanhámos, 38 libertaram-se, ao que acrescentamos mais 12 que estavam em acompanhamento desde anos anteriores. No total, vimos 50 mulheres tomarem conta dos seus destinos e libertaram-se do ciclo da violência", acrescenta.

Esta instituição lembra que "a covid-19 veio agudizar e intensificar a pandemia da violência doméstica e da violência contra as mulheres", e que no período de confinamento os pedidos de apoio "caíram vertiginosamente", registando-se uma quebra de 75% "pelas dificuldades em pedir ajuda que a coabitação implica".

"Neste momento, o número de pessoas em acompanhamento está já ao nível de 2019. Sabemos que há mais violência doméstica, mas também que o acumular de medos que a pandemia comporta, relacionados com a crise económica, com a convivência, com a menor mobilidade, os abafam. É importante que estejamos atentas e atentos, como colegas, como vizinhos, como familiares, porque a violência que agora vivemos poderá ter efeitos traumáticos a longo prazo", alerta.

A Coolabora frisa ainda a importância do trabalho em rede que envolve organizações como as forças de segurança, o Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira, o Agrupamento de Centros de Saúde da Cova da Beira, o Centro de Recursos para a Inclusão, a Ordem dos Advogados, o Ministério Público, o Tribunal, o Instituto de Medicina Legal, o Centro de Emprego e a Segurança Social, as escolas, a Universidade da Beira Interior, as três Comissões de Proteção de Crianças e Jovens da região e as câmaras de Belmonte, Covilhã e Fundão.

Hoje, assinala-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres e o Governo anunciou uma nova campanha de combate à violência doméstica, desta vez centrada no papel das testemunhas na denúncia deste crime.

Os dados mais recentes do Governo revelaram que a violência doméstica já matou 20 pessoas até ao dia 19 de novembro, 16 das quais mulheres.

As participações de crimes de violência doméstica cresceram entre julho e setembro, com 8.228 ocorrências participadas à PSP e GNR, mais 1,12% do que as 8.137 no período homólogo de 2019 e mais do que as 6.928 registadas no segundo trimestre de 2020.

Também o número de pessoas presas por crimes de violência doméstica aumentou, assim como o de pessoas integradas em programas para agressores.

CYC (SV/IMA) // SSS

Lusa/Fim


25/07/2021 04:55:59