Processo Marquês. Bastonário diz que PGR deve explicações ao país

EM NOME DA LEI
Processo Marquês. Bastonário diz que PGR deve explicações ao país

A Ordem dos Advogados quer explicações da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre o processo Marquês. "Foi feita uma acusação sem cabimento nenhum", afirma o bastonário Menezes Leitão, em declarações ao programa Em Nome da Lei, da Renascença.

"É preciso que a PGR explique ao país o que aconteceu, porque foi gasto dinheiro dos contribuintes e nos outros países, quando um processo falha, até se prestam contas sobre quanto dinheiro foi gasto."

O bastonário da Ordem dos Advogados interroga-se "como é possível ter sido feita uma acusação que, segundo o juiz de instrução Ivo Rosa , estava mal formulada e com factos prescritos".

Menezes Leitão pergunta: "como é que não se não se viu que os processos estavam prescritos e ainda assim fizeram a acusação? Isto é insustentável, numa acusação ainda por cima de quatro mil páginas e que demorou mais de quatro anos a fazer, temos de perguntar porque razão isto aconteceu".

O juiz Ivo Rosa anunciou, na sexta-feira, que extraiu uma certidão para a Procuradoria-Geral da República averiguar a distribuição do processo da Operação Marquês ao juiz Carlos Alexandre.

O bastonário da Ordem dos Advogados considera "muito grave" a possibilidade de ter havido manipulação na distribuição do Processo Marquês, na fase de inquérito, de forma a que ele fosse parar às mãos do juiz Carlos Alexandre, que acompanha quase sempre as posições do Ministério Público. Até porque não é a primeira vez em que nos últimos tempos há suspeitas de quem Portugal é violado o princípio do juiz natural.

18/06/2021 04:12:18