Conselho da Magistratura propõe ao Governo fusão de “Ticão” com juízo de instrução de Lisboa

O Conselho Superior da Magistratura defende a fusão do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) com o juízo de instrução de Lisboa, aumentando para sete o número de juízes, deixando estes dois tribunais de funcionar separadamente.

Fonte ligada ao processo adiantou à agência Lusa que esta fusão dos dois tribunais de instrução criminal de Lisboa será proposta ao Governo até junho.

CSM não vê irregularidades na distribuição de processos Ler Mais

Esta ideia, aprovada pelo plenário do órgão de gestão e disciplina dos juízes, visa que a intervenção dos juízes de instrução criminal nos processos dos crimes de catálogo [criminalidade mais grave e complexa] sejam distribuídos a um número maior de magistrados judiciais, “numa tentativa de se acabar com a pessoalização” existente no TCIC por este ter apenas dois magistrados: Carlos Alexandre e Ivo Rosa.

“O Tribunal Central de Instrução Criminal tem sido um foco permanente de instabilidade”, reconheceu a fonte, razão pela qual o CSM defende a existência, em Lisboa, de um único tribunal de instrução [que englobará o Ticão] para a criminalidade plurilocalizada investigada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

A mesma fonte negou que esta proposta signifique, na prática, a extinção ou a alteração das competências do TCIC e do Juízo de Instrução de Lisboa, mas sim uma forma de criar uma sinergia mais alargada entre ambos os tribunais.

Com esta proposta de fusão, o quadro de magistrados de instrução de Lisboa passaria a ser de sete, juntando-se a Carlos Alexandre e Ivo Rosa os cinco juízes que integram atualmente o juízo de instrução.

Na terça-feira, após reunião plenária, o CSM limitou-se a comunicar “ser favorável a qualquer alteração que acabe com a atual organização e estrutura do TCIC e que não passe pelo aumento do seu quadro de juízes, seja ela a fusão do TCIC com os juízos de instrução criminal de Lisboa seja a disseminação das atuais competências do TCIC pelos juízos de instrução criminal da sede dos Tribunais da Relação”, sem apresentar detalhes sobre a proposta que vai ser apresentada à ministério da Justiça.

Donos de casas no Zmar interpõem providência cautelar Ler Mais

O Tribunal Central de Instrução Criminal foi criado em 1999 com competência para a instrução criminal de processos cuja atividade criminosa grave ou altamente organizada e tem jurisdição em todo o território nacional.

Pelo TCIC passaram vários dos mais importantes e complexos processos como a Operação Marquês, caso BES, caso BPN, os Hells Angels, Vistos Gold e a Máfia do Sangue.



18/06/2021 04:03:52