Oliveira de Azeméis: Apre(e)nder o humanismo de Aristides de Sousa Mendes

Quadros de mais de 30 artistas nacionais protagonizam a exposição de arte contemporânea denominada “SER consciência … 30/1000 por 1 VIDA – Caminhos da Memória” que a delegação de Oliveira de Azeméis da Ordem dos Advogados inaugurou, ontem, na Casa Museu Regional das Terras de La Salette, onde estará patente até 31 de Agosto, constituindo uma homenagem a um “grande português”, o jurista Aristides de Sousa Mendes.

Exerceu, durante muitos anos, carreira diplomática, em diversos países, e, como cônsul português em Bordéus, de 1938 a 1940, desrespeitou as ordens de Salazar. Seguindo os ditames da sua consciência e obedecendo aos superiores valores do Direito Natural, da Ética e da Moral, concedeu 30.000 vistos de ida para Portugal a judeus e a outras pessoas perseguidas pelos nazis, salvando muitas vidas humanas à custa das suas perspectivas de carreira.
Luís Filipe Oliveira, presidente da delegação que representa os advogados oliveirenses, salientou que o cônsul injustiçado foi “o mais generoso dos humanistas do século XX”.
Recordou o trajecto do formado em Direito na Universidade de Coimbra, que serviu Portugal com distinção. Colocado em Bordéus, em 1940 apanhou com as consequências da queda de França face aos exércitos alemães.

25/07/2021 04:05:53