"Justiça é com fator humano e não à distância"

Discurso Direto | Luís Menezes Leitão, Bastonário da Ordem dos Advogados  | CM 22-10-2021

justiça foi uma das atividades que melhor se adaptaram ao contexto da pandemia, conforme afirmou o presidente do Supremo Tribunal de Justiça?

Menezes Leitão – Só se for do ponto de vista dos juízes. A pandemia obrigou ao cancelamento de julgamentos, com adiamento de decisões e, com isso, o abrandamento da atividade dos advogados.

– Houve apoios por parte do Estado?

– Não houve por parte do Estado qualquer apoio, como aconteceu com outras atividades. Os advogados tiveram dificuldades acrescidas.

– Há resistências no regresso à atividade dos tribunais?

– O parque informático é obsoleto e com ligações defeituosas que dificultam e travam processos e diligências, a que se junta a falta de dignidade das instalações.

– Com os avanços da tecnologia, a justiça pode fazer-se à distância?

– Faz sentido pensar e discutir a humanização da justiça face à tecnologia, mas nunca com o intuito de ser uma solução automática. Não se pode retirar da equação o fator humano. A justiça não se faz à distância.n H.R./R.C.

 

 

22/01/2022 18:53:49