Bastonário dos Advogados diz que atraso na tradução mancha a imagem da justiça

O bastonário da Ordem dos Advogados diz que a imagem da justiça portuguesa sai manchada com o caso de João Rendeiro. Desta vez, por as autoridades portuguesas ainda não terem conseguido traduzir o processo de extradição do ex-banqueiro.

À Renascença, Luís Menezes Leitão afirma que este facto só vem refletir a falta de tradutores que existem no país.
"Eu percebo que possam estar em causa muitas páginas, mas trata-se de uma tradução em inglês que é uma coisa relativamente simples. E, portanto, parece-me estranho que havendo um prazo para entregar as traduções, esse prazo tenha sido ultrapassado", crítica.
"Isto não é bom para a imagem da nossa justiça e do estado português, perante um processo que está a ter uma dimensão mediática muito grande e que envolve uma relação internacional", acrescenta.

Menezes Leitão relata que todos os dias a justiça portuguesa se depara "com atrasos deste género". Quando as pessoas perguntam: 'Mas por que razão levamos tantos anos a deduzir uma acusação?', uma das explicações é esta. Se for necessário mandar uma tradução para qualquer país estrangeiro, a verdade é que as coisas ficam bloqueadas nos nossos tribunais", afiança.

22/01/2022 18:28:14