Riscos associados às alterações climáticas agravaram 58% das doenças infeciosas nos humanos

Inundações, ondas de calor e seca, associadas às alterações climáticas, agravaram mais de metade das centenas de doenças infeciosas conhecidas nos humanos, incluindo malária, hantavírus, cólera e carbúnculo, segundo um estudo divulgado hoje.

Os investigadores analisaram a literatura médica de casos estabelecidos de doenças e descobriram que 218 das 375 doenças infeciosas humanas conhecidas, ou 58%, pareciam ser agravadas por um dos dez tipos de clima extremo ligado às alterações climáticas, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Climate Change.

O estudo traçou 1.006 percursos desde os riscos climáticos até às pessoas doentes. Em alguns casos, as chuvas torrenciais e as inundações acabaram por ter consequências na infeção das pessoas através de mosquitos, ratos e veados portadores de doenças.

A subida de temperatura dos oceanos e ondas de calor tiveram efeitos significativos nos mariscos e outros alimentos provenientes dos mares, enquanto as secas aumentaram os riscos de infeções virais nas pessoas através de morcegos.

Peritos defendem a teoria genericamente aceite de que o coronavírus que causa a covid-19 passou provavelmente de um morcego para as pessoas através de um outro animal ainda não identificado.

O comunidade científica há muito que associa a doença ao clima, mas este estudo mostra o quão generalizada é a sua influência na saúde humana.

"Se o clima está a mudar, o risco destas doenças está a mudar", disse o coautor do estudo, o diretor do Instituto de Saúde Global da Universidade de Wisconsin-Madison, Jonathan Patz. "Os resultados deste estudo são aterradores e ilustram bem as enormes consequências das alterações climáticas nos agentes patogénicos humanos", disse Carlos del Rio, um especialista em doenças infeciosas da Universidade de Emory, que não fez parte do estudo.

"Aqueles de nós que se dedicam às doenças infeciosas e à microbiologia precisam de fazer das alterações climáticas uma das nossas prioridades, e precisamos de trabalhar todos juntos para evitar o que será sem dúvida uma catástrofe como resultado das alterações climáticas", sublinhou.

Para além de analisarem as doenças infeciosas, os investigadores expandiram a sua pesquisa para analisar todo o tipo de doenças humanas, incluindo doenças não infeciosas como a asma, alergias e mesmo mordeduras de animais, para verem quantas doenças poderiam estar de alguma forma ligadas aos riscos climáticos, incluindo as doenças infeciosas. E encontraram um total de 286 doenças específicas, das quais 223 pareciam ser agravadas pelos riscos climáticos, nove foram diminuídas pelos riscos climáticos e 54 em que se verificaram ambos os cenários.

O autor principal do estudo, Camilo Mora, um analista de dados climáticos da Universidade do Havai, disse que o que é importante notar é que o estudo não tem a ver com a previsão de casos futuros. "Não há aqui qualquer especulação", disse Mora. "Estas são coisas que já aconteceram", acrescentou.

A especialista de longa data em clima e saúde pública Kristie Ebi, da Universidade de Washington, advertiu estar preocupada com a forma como as conclusões foram tiradas e com alguns dos métodos do estudo.

É um facto estabelecido que a queima de carvão, petróleo e gás natural levou a condições meteorológicas extremas mais frequentes e intensas, e a investigação demonstrou que os padrões meteorológicos estão associados a muitas questões de saúde, explicou. "Contudo, a correlação não é a causa", disse Ebi. "Os autores não discutiram até que ponto os riscos climáticos analisados mudaram durante o período de tempo do estudo e até que ponto quaisquer alterações foram atribuídas às alterações climáticas", notou.

Expresso | Riscos associados às alterações climáticas agravaram 58% das doenças infeciosas nos humanos

01/10/2022 02:00:32