Greve dos funcionários judiciais com 90% de adesão no primeiro dia

A adesão ao primeiro dia da nova greve, num modelo não tradicional, convocada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais rondou os 90%, de acordo com a estrutura sindical

A adesão ao primeiro dia da nova greve, num modelo não tradicional, convocada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) rondou os 90%, de acordo com a estrutura sindical.

Segundo o SFJ, hoje, primeiro dia de uma greve atípica, realizada em moldes diferentes consoante os serviços e comarcas, que decorre até 14 de julho, a adesão dos oficiais de justiça rondou os 90% o que leva o sindicato a considerar que o arranque da nova paralisação “correu muito bem”.

A greve estende-se até 14 de julho, mas não é contínua, com o pré-aviso a incidir nos dias “29 a 31 de maio de 2023, nos dias 01 e 02, 05 a 09, 12 a 16, 19 a 23 e 26 a 30 de junho de 2023 e nos dias 03 a 07 e 10 a 14 de julho de 2023”.

A greve, decidida e anunciada no final de abril, depois de as paralisações anteriores não terem tido os resultados pretendidos junto do Ministério da Justiça, vai decorrer “num formato criativo”, que não será coincidente em comarcas, em horários ou jurisdições, ou seja, a greve pode decorrer de uma forma e horário num tribunal judicial e de outra diferente nos serviços do Ministério Público, ou dentro de uma mesma comarca decorrer de forma diferente nos diferentes tribunais que a compõem.

Não foram decretados serviços mínimos para a greve que hoje se iniciou e os seus impactos vão acumular-se com os que já se sentem na Justiça desde o início do ano, com sucessivas greves a adiar milhares de diligências e julgamentos.

Os funcionários judiciais querem ver garantidas pelo Ministério da Justiça questões de carreira como promoções e a integração do suplemento de recuperação processual no vencimento, mas as reuniões negociais não produziram ainda os resultados desejados pelo SFJ.

IMA // JMR

01/10/2023 23:19:20