Procuradora Geral da República acredita que pode haver condições para um pacto na Justiça

A procuradora-geral da República, Lucília Gago, defendeu esta quinta-feira a necessidade de reforçar a confiança na justiça, ainda que acredite que ela existe atualmente, e entende que “poderá vir a haver condições” para um pacto na Justiça.

Lucília Gago falava à saída da conferência “A Justiça antes e depois do 25 de Abril”, que decorreu esta quinta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e cuja sessão de encerramento ficou a cargo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que sublinhou que não há democracia sem uma “justiça independente e amplamente confiável” e que é por aí que “começam as tentações ditatoriais”, pedindo a todos os intervenientes um autoexame e revisão de métodos.

Marcelo pede justiça independente e confiável contra “tentações ditatoriais”

Sobre os apelos a uma justiça confiável deixados pelo Presidente da República, Lucília Gago respondeu com concordância, considerando que “é essencial, sem dúvida” uma relação de confiança entre política e justiça e que acredita que, “no essencial”, existe confiança na justiça.

“É preciso reforçá-la, naturalmente, porque a confiança na justiça é um dos pilares essenciais e a sociedade deve naturalmente depositar a maior confiança nas instituições da justiça”, disse a procuradora-geral da República, que termina o seu mandato em outubro e já manifestou indisponibilidade para continuar no cargo.

A ideia de um pacto na Justiça, esta quinta-feira retomada por Marcelo Rebelo de Sousa, que voltou a fazer um apelo nesse sentido, merece também o apoio e concordância de Lucília Gago: “Acho que é importante o apelo e acho que poderá vir a haver essas condições [para se concretizar um pacto para a justiça]”.

20/04/2024 20:32:23